Fissuras no seio, dor, latejamento, pontada, ardência, rachadura, sangramento, descamação, queimação, mamilos sensíveis e mamilos machucados. Quem já amamentou sabe o quanto esses problemas são comuns e incomodam na hora de amamentar.

Esses são os problemas mais comuns durante a amamentação e a verdade é que não existe uma receita milagrosa para evitar. Não há algo que se possa fazer e que irá garantir que não haja fissuras no seio. Isso porque, é comum esse tipo de coisa aconteça durante a lactação, já que a pele do bico do peito é muito sensível e será estimulada bastante nos primeiros dias de vida do bebê. Mas é claro que dá para fazer algumas coisas sim, enquanto se está grávida e até depois, quando o bebê já nasceu e está mamando, para amenizar o problema.

A causa mais comum de dores para amamentar é devido a pega e posicionamento incorretos do bebê na hora da amamentação. Outras causas incluem mamilos planos, invertidos, muito curtos ou muito grandes (acesse  nosso artigo sobre tipos de mamilos), disfunções orais na criança como, freio de língua curto, sucção não nutritiva prolongada, uso errado de bombas de extração de leite, interrupção da sucção do bebê, quando é preciso tirá-lo do peito antes dele soltar espontaneamente, uso de cremes e óleos que causam reações alérgicas nos mamilos, uso de bicos de silicone incorretos e exposição prolongada a forros úmidos.

Como evitar rachaduras e fissuras no seio ou seio sensível

  • Amamente com técnica adequada: A pega errada é o maior motivo de dores, para que isso não aconteça, assista vídeos, leia muito e procure orientação antes do bebê nascer, seja do médico, de uma consultora de amamentação, ou até mesmo de mães mais experientes;
  • Cuide do seu peito: Mantenha os mamilos e aréola sempre “arejados”, faça trocas frequentes dos absorventes para seio, sempre quando ocorrer vazamento de leite. Sempre que possível, tome um pouco de sol no mamilo e na aréola. A umidade excessiva pode gerar a fissuras, além de candidíase.

  • Evite produtos que acabam retirando a proteção natural do mamilo: Alguns tipos de sabonetes, álcool, hidratantes auto secantes e outros produtos, podem ressecar o mamilo e gerar fissuras.

  • Não aplique nada no seio, que não possa ir à boca de um bebê recém nascido: Esse é um bom “filtro” para descobrimos o que pode, ou não, ser aplicado no seio. Tratar a causa é muito mais importante, para que não machuque mais.

  • Amamente em livre demanda: Essa é a solução para praticamente tudo. Ofereça o peito ao seu bebê sempre que ele desejar ou se você sentir que seu peito está cheio. A criança quando colocada no seio assim que dá os primeiros sinais de que quer mamar, vai ao peito com menos fome, menos irritada e assim diminui a chance de ocorrer a pega inadequada e machucar os mamilos, além de evitar o ingurgitamento mamário. A necessidade da mãe também é importante e você deve oferecer o peito ao bebê se ele estiver doendo ou com a mama endurecida.

  • Faça massagem no seio: As massagens e ordenha manual da aréola antes da mamada aumenta a sua flexibilidade, permitindo uma pega adequada.

  • Cuidado ao interromper a mamada: Se precisar interromper a mamada, introduza o seu dedo indicador ou mínimo pelo canto da boca do bebê, de maneira que a sucção seja interrompida antes de a criança ser retirada do seio, e evitar que machuque o mamilo.

  • Tome cuidado com bicos de silicone ou intermediários: O chamado bico de silicone tem indicações precisas, devem ser usados de forma provisória e correta, quando muito bem indicados. Ele pode causar trauma no mamilo, o que piora as lesões, além de a longo prazo, levar a diminuição da produção de leite. Somente use com indicação de um profissional especialista em amamentação, que ainda possa acompanhá-la nesse processo.

  • Procure sempre um profissional qualificado: Pode até parecer redundante essa dica, mas um profissional especialista em amamentação faz TODA a diferença no processo. E quanto antes for feita a intervenção, ou até a prevenção, melhor!

Deixe um comentário.